Imprensa

MAC NA MÍDIA

Jornal Diário Popular 06/08/2014

Arte da generosidade

Com obras doadas por artistas e colecionadores, MAC-RS mostra em Outro museu como se forma um acervo
Por: Ana Cláudia Dias
anacl@diariopopular.com.br 



Diferentes técnicas e temáticas representam o vigor da produção contemporânea  (Foto: Paulo Rossi - DP)
Diferentes técnicas e temáticas representam o vigor da produção contemporânea (Foto: Paulo Rossi - DP)
André Venzon diz que o projeto foi motivado pelo caráter excepcional destas novas aquisições (Foto: Paulo Rossi - DP)
André Venzon diz que o projeto foi motivado pelo caráter excepcional destas novas aquisições (Foto: Paulo Rossi - DP)
As doações aos museus são um ato de generosidade e de amor à arte. A cada nova leva de obras as instituições museológicas recebem uma espécie de bálsamo revigorante, criando mais possibilidades para a entidade, que a cada exposição pode apresentar um novo perfil. Uma dessas faces do Museu de Arte Contemporânea do Rio Grande do Sul está em Outro museu, coletiva itinerante que abre nesta quarta-feira (6), no Museu de Arte Leopoldo Gotuzzo (Malg/UFPel).
Outro museu traz a Pelotas 55 obras, três delas doadas na última semana e que estreiam como acervo do MAC-RS em Pelotas. Elas, que são doações recentes de 53 artistas do Estado e de fora dele, mostram a vitalidade da coleção do Museu, que nos últimos quatro anos duplicou sua coleção. Para o curador, além de compartilhar essa riqueza, a coletiva apresenta ao público como ela é formada.
Para André Venzon é preciso exaltar essa maneira - através de doações - de se constituir um acervo. A exposição que chega ao Malg resulta também de parceria entre MAC-RS, Sesc, através do projeto Arte Sesc - Cultura por Toda Parte, e Universidade Federal de Pelotas, no município. “É difícil fazer uma exposição como essa sem uma rede de associações”, fala o curador. Antes de Pelotas, Outro museuesteve em Caxias do Sul.
Vibrante e colorida
Diferentemente de outras mostras, esta não tem uma temática, afirma Venzon. Para o curador, a qualidade da produção prescinde de introduções e justificativas. “O tema é o próprio Museu e o texto dessa exposição é a generosidade dos artistas em criarem, na maioria das vezes sem incentivos, e doarem”, fala.
Apesar das mais diversas temáticas de trabalho, as obras, por sua contemporaneidade, encontram relações. Venzon aponta três artistas de gerações diferentes  - Iberê Camargo, Danúbio Gonçalves e Gerson Reichert - que mostram a expressão, através do desenho, como algo em comum.
Entre o material escolhido por Venzon, há gravuras, pinturas, objetos e esculturas. Uma variedade de suportes, inspirações e poéticas que preservam a singularidade das obras, bem ao estilo contemporâneo de fazer arte.
O critério de escolha de Venzon recaiu sobre obras que entraram no MAC-RS e não tiveram a oportunidade de estar em projetos recentes da instituição. Como resultado a mostra apresenta um colorido vibrante e animado que, segundo o curador, representa o vigor e a juventude do MAC-RS, das obras e o prazer desses artistas em doar e da instituição em receber.
De Caxias a Pelotas
Venzon conta que a exposição iria só para Caxias, mas a direção do Malg/UFPel entrou em contato e solicitou o compartilhamento. “As instituições podem e devem nos levar demandas como essa. E se a exposição está em itinerância fica ainda mais fácil.”
André Venzon diz que é importantíssimo aproveitar espaços como o do Malg que tem condições técnicas para receber esse acervo. Entre os artistas apresentados pelo MAC-RS apenas Mário Röhnelt é de Pelotas. Para o curador esta é uma oportunidade de incentivar colecionadores ou artistas de Pelotas a pensarem na importância que os doadores têm para uma instituição pública.
Desenhos do patrono
Além da Outro museu, o Malg abre nesta quarta a exposição figurativa:Desenhos e pinturas de Leopoldo Gotuzzo, que tem curadoria da professora Neiva Bohns, do Centro de Artes da UFPel. A atraçãoapresenta 18 obras de Gotuzzo de diferentes períodos e gêneros. Os retratos, as naturezas mortas e as paisagens têm como elo o desejo de representação da realidade, conforme a curadora. Os desenhos e as pinturas do artista pelotense ficarão em exposição até o dia 4 de outubro.
Serviço
O quê: exposições Outro museu - As doações recentes ao acervo do MAC-RS - e Desenhos e pinturas de Leopoldo GotuzzoAbertura: quarta-feira (6), às 19h, no Malg
Onde: Museu de Arte Leopoldo Gotuzzo, rua General Osório, 725
Visitação: até o dia 4 de outubro, de terça a domingo, das 10h às 19h






***

Jornal Zero Hora 11/07/2013




Zero Hora 09/07/2013



Jornal do Comércio 09/07/2013



Jornal O Sul 09/07/2013



Jornal Metro 08/07/2013





Jornal Correio do Povo 08/07/2013






Imaginação, fé e política são temas apresentados na exposição Deixa Estar, do artista visual Sandro Ka.

Composições criadas a partir de objetos e imagens do universo popular e de massa são apresentadas na exposição do artista, em julho no MACRS.

Reunindo mais de 40 obras, entre recentes e destaques de uma produção de mais de dez anos, a exposição Deixa Estar, do artista visual gaúcho Sandro Ka, ganha exibição em julho, no Museu de Arte Contemporânea do Rio Grande do Sul.

Em sua produção, o artista apresenta como temas de interesse a imaginação infantil, a imaginária religiosa e a citação de ícones da história da arte ocidental, como referências explícitas e irônicas, a esses sistemas de crença que orientam tradições e comportamentos na vida social, pública e privada.

Através da apropriação e justaposição de brinquedos, bibelôs e estátuas religiosas, produtos industrializados e difundidos massivamente, o artista faz emergir através destas composições a inocência lúdica que permeia a fé, a infância e a criação artística.

Com uma proposta museológica inédita no MACRS, assinada pela curadora Bianca Knaak, Deixa Estar propõe diálogos entre a produção do artista e um recorte representativo de obras do acervo do museu. Em diferentes suportes e linguagens, nomes consagrados como León FerrariLia Menna BarretoWalmor Corrêa e Téti Waldraff  podem ser conferidos ao lado de obras de outros jovens artistas, como Daniel Escobar e Tridente. Segundo Knaak, tratam-se de obras que fazem parte de um repertório artístico que em distintos momentos e de diferentes maneiras inspiram, influenciam e dialogam com as motivações plásticas de Sandro Ka, ele mesmo representado no acervo do MACRS com três obras tridimensionais. Desta forma, a abordagem curatorial se propõe a apresentar diferentes momentos da cena artística brasileira, que são referências para a formação e compreensão da produção do artista. Neste processo destaca, também, o fundamental papel dos museus e da visibilidade de suas coleções para a formação do público ampliando, assim, suas oportunidades de acesso à arte contemporânea em nossa cidade.

Sandro Ka (1981, Porto Alegre) é artista visual, formado pelo Instituto de Artes da UFRGS. Desde 2003, participa de exposições entre as quais destacam-se a individual Relações Ordinárias (Paço Municipal, Porto Alegre, 2008) e as coletivas Cromomuseu (MARGS, Porto Alegre, 2011), O Triunfo do Contemporâneo (Santander Cultural, Porto Alegre, 2012), Labirintos da Iconografia (MARGS, Porto Alegre, 2011) e VIII Bienal do Recôncavo Baiano (São Félix, BA, 2006).

Bianca Knaak é doutora em História, professora no Instituto de Artes da UFRGS, membro do Comitê Brasileiro de História da Arte (CBHA), e ex-diretora do MACRS e do IEAVI.

Créditos imagens: 
obras Sandro Ka - Santo Clic 

Serviço:

DEIXA ESTAR | exposição de SANDRO KA 
Museu de Arte Contemporânea do RS – MACRS, Galeria Sotero Cosme - Rua dos Andradas, 736, 6º andar da Casa de Cultura Mario Quintana, POA/RS.
Inauguração dia 09 de julho às 19h.
Visitação de 10/07 a 11/08/22013 - Segunda das 14h às 19h, de terça à sexta das 10h às 19h, sábados, domingos e feriados das 12h às 19h.


Informações: +55 51 3221 5900 / mac@sedac.rs.gov.br




Adriana Conti Melo inaugura exposição de pinturas inspiradas na obra de Mario Quintana no mês de aniversário do poeta.

Espaço iluminado de uma intensa irrealidade  é o nome da exposição que a artista plástica paulista Adriana Conti Melo apresenta no Museu de Arte Contemporânea do RS, na galeria Xico Stockinger da Casa de Cultura Mario Quintana, em Porto Alegre/RS, entre os dias 10 de julho e 11 de agosto. O nome da exposição e da maioria das pinturas é obtido a partir de leituras da obra do poeta Mario Quintana, espécie de homenagem e reconhecimento da artista ao gaúcho que dá nome ao espaço cultural onde fica o Museu.
Nesta exposição Conti Melo dá continuidade ao seu trabalho de pesquisa e exploração da intersecção entre as cores e as linhas, formando espaços que se evidenciam mais de forma pictórica do que planejada, reforçando o seu nome no cenário artístico brasileiro. Como diz a curadora da exposição Kátia Canton, a artista “passou a construir um universo próprio de camadas, com planos de cor, jogos de perspectivas imperfeitas, linhas que cortam a superfície e acabam ganhando um lugar graças à cor. Resulta-se num singular labirinto, numa beleza que é também repleta de estranhamento”.
E essa beleza é reforçada pela potência dos traços e da pintura, convidando o espectador a criar um paralelo com alguma imagem de seu repertório próprio, a mergulhar na busca de onde darão as portas, janelas ou escadas que se insinuam nas telas. Conti Melo parece questionar o espectador das certezas sobre o domínio dos lugares, “busco imagens referenciais que me impactem, que conversem com o meu banco de emoções internas, que me façam pensar ou imaginar alguma possível cena da minha vida. Começo a construí-las a partir do fundo negro e me liberto do guia de partida, por isso costumo dizer que são espaços que se fundem da minha emoção e do pedido das cores, ganhando vida própria e que terão outras interpretações dependendo de quais emoções aportam quem na frente delas se coloca”.
São treze pinturas, a maioria de grande formato, que não deixam o visitante passar ileso, nem neutro, como diz Canton: “nessas passagens que não nos guiam a lugar algum, nos resta ficar na própria companhia e presença. Penetrando as telas com o olhar, permanecemos em nossas próprias entranhas. Estamos, longe de casa, mas passíveis de captar algum resíduo de familiaridade e afeto. Nos contornos dos degraus, na angularidade de alguma porta podemos associar memórias, encantados que estamos com a gradação de cores. Nesse momento, então, podem surgir relações de tempo e espaços – identificações com detalhes de lugares que já vimos ou já vivemos. Cria-se ali, um passeio pela própria história”.

Adriana Conti Melo (1965, São Paulo, SP) graduou-se em Desenho Industrial pelo Mackenzie. Exposições Individuais: Espaço iluminado de intensa irrealidade – MACRS - Porto Alegre – 2013; Estás dentro - Galeria Central/Ímpar - São Paulo – 2012; Coletivas: Indepêndencia ou Morte – Ateliê Fidalga – 2012; AlugaseVille – Galeria Central – São Paulo 2012; Aluga-se Na Dconcept – Galeria Dconcept –São Paulo -2012; Quase a última foto - Fotogaleria Virgílio Calegari Porto Alegre – 2012; Galeria Ímpar - São Paulo – 2011; Meio Quilo -Museu Eugenio T Leal – Salvador – 2011; Convivendo com arte – Conhecendo Artistas Banco Santander -  São Paulo – 2011; Boîte Invaliden - Invaliden1 – Berlim – 2011; About Change – World Bank – Washington DC – 2011; PhotoFidalga  Quase  Galeria  Espaço T – Porto/Portugal  2010; Ateliê Fidalga no Paço das Artes - Ateliê Fidalga  2010; Nos limites da arte Ateliê  Fidalga – Funarte SP – 2009; PhotoFidalga  Carpediem – Lisboa -2009.
Kátia Canton é natural de São Paulo, estudou arquitetura, formou-se em jornalismo e dança moderna. Cursou Literatura Francesa no Cours Superière de Nancy na França. Em 1987 foi residir em Nova York, trabalhando para vários jornais e revistas, como o Jornal da tarde e O Estado de São Paulo, a revista Isto É, Vogue, Elle, O Expresso de Portugal, além de revistas norte-americanas de arte, como Art in America e Artforum. Fez doutorado em Arte e Interdisciplinaridade na New York University. Trabalhou no departamento de Arte-Educação do MoMA (Museum of Modern Art). Em 1994 de volta ao Brasil, torna-se professora e curadora do Museu de Arte Contemporânea da USP, em São Paulo.

Serviço:

ESPAÇO ILUMINADO DE UMA INTENSA IRREALIDADE| exposição de ADRIANA CONTI MELO
Museu de Arte Contemporânea do RS – MACRS, Galeria Xico Stockinger - Rua dos Andradas, 736, 6º andar da Casa de Cultura Mario Quintana, POA/RS.
Inauguração dia 09 de julho às 19h.
Visitação de 10/07 a 11/08/22013 - Segunda das 14h às 19h, de terça à sexta das 10h às 19h, sábados, domingos e feriados das 12h às 19h.
Informações: +55 51 3221 5900 / mac@sedac.rs.gov.br




Arte SESC e Museu de Arte Contemporânea do Rio Grande do Sul promovem itinerância da exposição 
“A Medida do Gesto”.


Mostra itinerante chegará a Pelotas, no dia 27/6, 
e na sequência seguirá para Bagé e Passo Fundo.


Foi com o objetivo de fundamentar e discutir, em termos teóricos e práticos, a atuação do profissional em artes visuais, que surgiu a exposição “A Medida do Gesto – Um panorama do acervo do MACRS”. Depois de ter sido conferida na Capital, Porto Alegre, ainda em 2013 a mostra chegará a Pelotas, Bagé e Passo Fundo, numa realização conjunta do Arte SESC – Cultura por toda parte e Museu de Arte Contemporânea do Rio Grande do Sul (MACRS). A itinerância é resultante da parceria firmada entre a Secretaria de Estado da Cultura e o Sistema Fecomércio-RS/ SESC.


Às 19h do dia 27 de junho de 2013, acontece a abertura da exposição “A Medida do Gesto”, no Casarão 6, patrimônio cultural recentemente restaurado, em Pelotas. A mostra ficará aberta à visitação, até o dia 21 de agosto, de segunda a sexta-feira, das 12h30 às 18h30, e nos finais de semana (06, 07, 17 e 18), no mesmo horário, com entrada franca. Para o dia 28 de junho, está programada uma palestra com a curadora da exposição, Ana Maria Albani de Carvalho, às 9h. Já no dia 5 de julho, das 14h às 17h, acontecerá a Oficina de Arte Educação, ministrada pela curadora pedagógica do projeto, Alice Bemvenuti.



Depois de Pelotas, a exposição seguirá para Bagé, onde poderá ser visitada de 28 de agosto a 29 de setembro, e na sequência irá para Passo Fundo, permanecendo de 13 de novembro a 15 de dezembro. Confira, abaixo, a programação completa.



Sobre a exposição “A Medida do Gesto” é um projeto de pesquisa e difusão tendo o acervo do Museu como foco de trabalho. Primeiro no nível universitário, já que os estudantes Carlos Eduardo Gallon, Fernanda Castilhos, Laura Miguel, Leila Coffy, Luise Malmaceda, Luiza Mendonça, Mariana Patrício e Vânia Riger, do Laboratório de Museografia do Instituto de Artes (IA/UFRGS), coordenados pela professora Ana Maria Albani de Carvalho,  acompanharam todos os passos para ver como se faz uma exposição. Na segunda etapa, de itinerância, o objetivo é reunir professores de artes das redes de ensino para discutir em centros regionais o que é uma exposição de arte, desde a curadoria, a pesquisa de acervo, convites e divulgação, bem como apresentar o primeiro projeto de ação educativa do acervo do Museu, sob coordenação da mestre em história, teoria e crítica de arte Alice Bemvenuti, para a rede pública de ensino e o público em geral.

Serviço:



Exposição “A Medida do Gesto – Um Panorama do Acervo MACRS”



PELOTAS



Abertura: 27 de junho de 2013 das 19h às 21h.

Visitação: até 21 de agosto de 2013.
Horário de visitação: Segunda-feira à sexta-feira das 12h30 às 18h30.
                              Sábado e domingo (06 e 07/07) das 12h30 às 18h30.
                              Sábado e domingo (17 e 18/08) das 12h30 às 18h30.
Local: Casarão 6 (Praça Coronel Pedro Osório, 6).

Atividades educativas:

Palestra "Sobre a Medida do Gesto: Curadoria e Museografia" com a curadora da exposição Ana Maria Albani de Carvalho.
Data: 28 de junho de 2013.
Horário: Das 9h às 12h.

Oficina de arte educação "Aprendizagens possíveis na arte contemporânea" com a curadora pedagógica do projeto de itinerância Alice Bemvenuti.
Data: 05 de julho de 2013.
Horário: Das 14h às 17h.
BAGÉ

Data: 28 de agosto a 29 de setembro de 2013.
Local: Espaço Cultural Da Maya (Rua General Osório, 572).

PASSO FUNDO

Data: 13 de novembro a 15 de dezembro de 2013.
Local: Museu de Artes Visuais Ruth Schneider - UPF.






MACRS LANÇA PROJETO MEMÓRIA CONTEMPORÂNEA

E ABRE ESPAÇO PARA JOVENS ARTISTAS


Dia 28 de maio de 2013, às 19h, o MACRS (Rua dos Andradas, 736, 6º andar, na CCMQ) inaugura muito mais que duas novas exposições. O projeto MEMÓRIA CONTEMPORÂNEA, que tem por objetivo resgatar a produção de artistas cuja trajetória não esteja bem representada nos acervos públicos brasileiros, inicia com a curadoria de Flávio Gonçalves sobre a obra em pintura de ADRIANO ROJAS com o título O GATO QUE NÃO PEGAVA O RATO. Já na exposição O RUMOR DA MATÉRIA, com curadoria de Bettina Rupp, a nova escultura da jovem artista VIVIAN LOCKMANN prova que o Museu, sem perder de vista a formação de acervo, continua a abrir espaços para a produção artística e curatorial recente. Neste mês o projeto ARTE, GASTRONOMIA  E BEBIDAS REGIONAIS em parceria com o grupo de trabalho RS MAIS GASTRONOMIA, será com a escola de gastronomia da UFCSPA que preparará o cardápio do coquetel inspirado nas obras dos artistas em exposição, além de bebidas tradicionais oferecidas pela APRODECANA, CORUJA CERVEJA VIVA e pelo IBRAVIN.

ADRIANO ROJAS: O GATO QUE NÃO PEGAVA O RATO

Conforme o curador Flávio Gonçalves, esse foi o título da primeira exposição individual de Adriano Rojas, em 1996. Desde o começo de sua caminhada o artista apontava para o que seria o tema central de sua obra: a pintura como ofício e como desafio. Através dessa imagem da espreita e da caça estão presentes os componentes da disputa que se trava em seus trabalhos.

Cada pintura deseja para si um destino particular que surge no horizonte como uma oportunidade. Adriano sempre esteve atento a essa diferença entre intenção e realização, uma briga de gato e rato entre artista e obra. Quando ele pensava ter o trabalho em mãos, a pintura desgarrava livre e autônoma, mudando seu rumo, propondo novos caminhos. Adriano teve sua trajetória interrompida prematuramente. Através do projeto Memória Contemporânea o MACRS traz a público uma seleção de diferentes fases de seu trabalho em pintura, homenageando assim uma das carreiras mais promissoras.



 “Quando pinto quero dar ao expectador uma maior sensação de fruição formal do quadro, uma fruição advinda de suas sensações visuais do que de qualquer outro aspecto” AR

“Sobre o ato de pintar, é importante dizer que fundamentalmente se dá pelo prazer, não que isso signifique algum tipo de facilidade, ao contrário, me é bastante difícil.” AR


“A pintura parece ser, por excelência, a arte de construir, desconstruir, reconstruir, conferindo a ela uma unidade, pois são deixados evidentes as marcas e os caminhos traçados, sendo essa a característica de vital importância para mim, pois é mostrado o seu processo.” AR

“Gostaria que minha pintura fosse vista como aquilo que ela efetivamente é, não como o que ela pode ser, ainda que eu saiba ser este um desejo difícil de ser alcançado [...], pois associações acontecerão, inclusive de minha parte.” AR



Trecho do texto de Teresa Poester, escrito por ocasião da morte do artista, em 2004:

"Diz-se, com boa dose de razões, que, em pintura, como no vinho, 'quanto mais velho melhor'. É conhecida a longevidade dos pintores que contribui tanto para a qualidade como para a quantidade do legado de obras deixadas. Adriano Rojas faleceu aos 36 anos interrompendo um percurso justamente quando estava no ponto de partida para a renovação de um trabalho já extremamente maduro, num momento em que o vinho estava no ponto para ser degustado." Teresa Poester, 2004





VIVIAN LOCKMANN: O RUMOR DA MATÉRIA

Segundo a curadora Bettina Rupp, as esculturas de Vivian Lockmann despertam o olhar curioso para compreender do que se trata a forma indefinida disposta no chão. Um estranhamento ao reconhecer a erva daninha que estrangula braços de Jacarandás, mas agora envolve um corpo. Em seguida, defrontamo-nos com a beleza de um pé bem torneado, herança de uma cadeira incutida em um corpo, ao lado de um sorriso enigmático da manequim, tão sedutora e estéril.





As formas que brotam nas esculturas apresentam as angústias de quem vive o processo criativo. Vemos vísceras de algo que ainda não está pronto, lutando para conseguir espaço. O projeto inicial vai aos poucos desaparecendo e o acaso começa a dominar forma e conteúdo.


A criação nunca está desconectada do tempo presente. Os objetos antigos estão com suas funções inutilizadas, enterradas na memória, enquanto outro ser vai tomando contorno. Algo inexplicável, entre o desejo e a materialização de um corpo sexual. Enquanto os insetos saem dos casulos, as esculturas de Vivian recebem objetos, para torná-las “vivas” de sentido.


SERVIÇO:

O QUÊ? EXPOSIÇÕES:

ADRIANO ROJAS: O GATO QUE NÃO PEGAVA O RATO, curadoria de Flávio Gonçalves na galeria Xico Stockinger/MACRS.

VIVIAN LOCKMANN: O RUMOR DA MATÉRIA, curadoria de Bettina Rupp na galeria Sotero Cosme/MACRS.

ONDE? MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO RS (Rua dos Andradas, 736, 6º andar, na Casa de Cultura Mario Quintana)

QUANDO? INAUGURAÇÃO DIA 28 DE MAIO DE 2013 DAS 19h às 21h. Visitação até 30 de junho de 2013, segunda das 14h às 19h, de terça a sexta das 10h às 19h, sábados, domingos e feriados das 12h às 19h.

PARA MAIS INFORMAÇÕES:

TEL.: +55 51 3221 5900 / E-MAIL: mac@sedac.rs.gov.br








IDADES CONTEMPORÂNEAS

De 23 de agosto a 07 de outubro de 2012, a mais representativa exposição da programação 2012  IDADES CONTEMPORÂNEAS  reune nos espaços das Galerias Sotero Cosme e Xico Stockinger, obras de mais de sessenta artistas, cuja produção contemporânea recente virá a incorporar o novíssimo acervo do Museu. A exposição conta com intervenções urbanas, vídeos nas redes sociais e filme sob a direção criativa de Charles Cruz que Átila Ferrarez e Gabriel Gambá, da GAD'Red-- agência que adotou o Museu -- criaram sobre o lema:
DIFÍCIL É ENTENDER O MUNDO CONTEMPORÂNEO.
A ARTE CONTEMPORÂNEA NEM TANTO.

Direção: Rafael Berlezi
Fotografia: Rafael Wilhelm
Assistência de direção e Montagem: Janaína Falcão
Produção: André Venzon e Gaby Benedyct
Assistência de produção: Walter Karwatzki
Realização: MACRS
Argumento: GADred
Trilha sonora: Bruma - Rafael Berlezi
Apoio: Estação Elétrica

mais de 60 artistas apresentando sua visãode mundo,
através das suas diferentes gerações


De 23 de agosto a 07 de outubro de 2012 o Museu de Arte Contemporânea do Rio Grande do Sul inaugura sua mais representativa exposição da programação 2012 IDADES CONTEMPORÂNEAS  reunindo nos espaços das Galerias Sotero Cosme e Xico Stockinger, obras de mais de sessenta artistas, cuja produção contemporânea recente virá a incorporar o novíssimo acervo do Museu. A exposição irá contar com intervenções urbanas, vídeos nas redes sociais e filme que Átila Ferrarez e Gabriel Gambá, da GAD'Red– agência que adotou o Museu – criaram sobre o lema: DIFÍCIL É ENTENDER O MUNDO CONTEMPORÂNEO / A ARTE CONTEMPORÂNEA NEMTANTO.

Ana Zavadil, Paula Ramos, Paulo Gomes e Marcelo Gobatto são os curadores que integram este ambicioso projeto, para o qual tiveram a liberdade de convidar artistas de diferentes gerações e linguagens.

Ana Zavadil apresenta em sua proposta curatorial Poéticasem Paralelo artistas que situam o seu intervalo de ação a partir davirada deste novo século: Alexandra Eckert, Ana Flores, Antônio Augusto Bueno, Amélia Brandelli, Bruno Borne, Camila Schenkel, Evenir Comerlatto, Guilherme Dable, Jander Rama, Kátia Costa, Leandro Selister, Leonardo Fanzelau, Marília Bianchini, Rogério Livi e Rogério Severo. As obras escolhidas foram todas concebidas para esta exposição, sem um tema específico, o que se impõe é a poética, pois no cotejo e/ou confronto entre asobras, através desse encontro singular, podemos conferir, comparar eestabelecer novos rumos para a arte contemporânea.

A curadora Paula Ramos convidou os artistas: Belony, Clóvis Martins Costa, Dione Veiga Vieira, Fábio Del Re, Fernanda Valadares, Frantz, Gonzaga, Julio Ghiorzi, Mariza Carpes, Túlio Pinto, Ubiratã Braga e Wilbert. Diante da Matéria é o título da sua curadoria em que apresentam trabalhos queestão entre o racional e o intuitivo, o programado e o casual, o geométrico e oorgânico. Entre a linha e a mancha, a síntese e o excesso, a ordem e o caos.Entre desenho e pintura, pintura e gravura, escultura e desenho, fotografia epintura. As obras apresentadas nesta exposição exploram diferentesprocedimentos e materiais, técnicas e linguagens, gestos e temporalidades, evidenciando o caráter plural da produção contemporânea. Elas também atestam apostura investigativa de seus criadores, artistas que têm problematizado as tradições do campo da arte, suas práticas e conceitos, bem como revisitado suas próprias trajetórias. Diante da Matéria propõe uma experiência entre o espaço, a matéria e o corpo.

Os curadores Paulo Gomes e Marcelo Gobatto assinam a mostra de CORPOIMAGEM com a novíssima produção em vídeo na arte contemporânea brasileira. Esta mostra apresenta a produção de mais de 40 artistas: Alberto Semeler, Ali Khodr, Amélia Brandelli, Ana Norogrando, André Severo, Bruno Borne, Camila Mello, Carlos Donaduzzi, Chico Machado, Claudia Paim, Clóvis Martins Costa, Denise Gadelha, Diogo Dornelles, Dirnei Prates, Elaine Tedesco, Eny Schuch, Fábio Noronha, Fabio Puper Machado, Fabrício Almeida, Fernando Codevilla, Glaucis de Morais, Isabel Ramil, James Zortéa, Jorge Soledar, Kelly Wendt, Letícia Bertagna, Lizangela Torres, Luiz Roque Filho, Mairon Martins, Manuela Eichner, Marcelo Gobatto, Maria Lúcia Cattani, Mirieli Costa, Nelton Pellenz, Niura Borges, Patrícia Francisco, Rafael Roso Berlezi, Rebeca Stumm, Renato Heuser, Rochele Zandavalli, Romy Pocztaruk e Sandra Rey. São filmes e propostas heterodoxas que tem renovado tanto a produção do que vemos, como aforma dos artistas se relacionarem com o cinema.

Para celebrar esta nova fase do acervo do MACRS será lançado no Espaço Vasco Prado, agora dedicado a Ação Educativa do Museu, com sessão de autógrafos, o livro da exposição A MEDIDA DO GESTO (DISTRIBUIÇÃO GRATUITA), que registra o trabalho de curadoria e expografia desenvolvido a partir do acervo do Museu, entre 10 de dezembro de 2011 e 29 de janeiro de 2012, que resultou de uma parceria entre o MACRS e a disciplina Laboratório de Museografiado IA-UFRGS, consistindo em uma proposta de pesquisa e difusão tendo o acervo do Museu como foco de trabalho dos alunos, sob coordenação da Professora Ana Albani de Carvalho.

Também no Espaço Vasco Prado será entregue de volta ao público visitante da Casa de Cultura Mario Quintana a escultura do artista Avatar Moraes, cujo projeto de restauro foi coordenado pelo MACRS em parceria com a Associação deAmigos da Casa de Cultura Mario Quintana.

Com estas atividades o MACRS confirma sua missão de pesquisar, preservar e divulgar a arte contemporânea regional, desenvolvendo propostas educativas que visem à compreensão deste campo da arte em suas várias modalidades, tendo como tarefa principal ser uma instituição que vincule e promova o diálogo entrea grande diversidade de abordagens criativas em artes visuais e as linguagens artísticas contemporâneas em nosso Estado, seguindo em frente rumo a nova sede a ser inaugurada no segundo semestre de 2013 junto ao Instituto Federal de Educação,Ciência e Tecnologia.



Serviço:

IDADES CONTEMPORÂNEAS

Inauguração dia 23 de agosto de 2012 às 19h.

Museu de Arte Contemporânea do RS – Galerias Sotero Cosme e XicoStockinger
Rua dos Andradas, 736, 6°andar – Casa de CulturaMario Quintana
Bairro Centro Histórico – Porto Alegre – RS – CEP 90020004
Visitação até 07 de outubro de 2012
Segundas das 14h às 19h, de terças a sextas das 10hàs 19h
Sábados, domingos e feriados das 12h às 19h


METROPOLITANOS – A NOVA URBANIDADE EM EXPOSIÇÃO
MACRS comemora 20 anos com exposição da nova cena urbana

O Museu de Arte Contemporânea do Rio Grande do Sul (MACRS) comemora 20 anos e oferece aos visitantes a oportunidade inédita de conhecer os principais artistas da nova cena urbana do Estado.  A exposição, que acontece entre 15 de março e 15 de abril, na Casa de Cultura Mario Quintana (Rua dos Andradas, 736 – 6° andar), celebra o encontro de 25 artistas gaúchos, de diferentes cidades do RS, que já circularam o mundo com seus trabalhos.
O termo urbanidade foi emprestado para localizar estes artistas que se apropriam da cidade para projeção e construção de imagens artísticas. Mais do que uma exposição, METROPOLITANOS é uma provocação visual, com figuras enigmáticas, formas desconcertantes e traços livres em um lúdico universo de cores e formas, signos que já habitam as paredes das metrópoles, mas, sobretudo, renovam o estilo de ser contemporâneo, ou revelam uma NOVA URBANIDADE.

SERVIÇO:
METROPOLITANOS – A NOVA URBANIDADE EM EXPOSIÇÃO
ARTISTAS: Braziliano, Carla Barth, Carol W, Celo Pax, Cusco Rebel, Guilherme Nerd, Jotapê, Holie, Lidia Brancher, Luciano Scherer, Luciano Spinelli, Matheus Grimm, Nina Moraes, Paula Plim, Pablo Etchepare, Pedro Gutierres, Renan Santos, Ricardo Dias, Seilá Pax, Sergio Rodriguez, Talita Hoffmann, Trampo, Tridente, True e Xadalu.
Local: Museu de Arte Contemporânea do RS, Rua dos Andradas, 736 – 6° andar da Casa de Cultura Mario Quintana - Bairro Centro Histórico, Porto Alegre/RS - Brasil
Inauguração dia 15 de março às 19h, visitação até 15 de abril de 2012.
Horários: Segunda das 14h às 19h, de Terça à Sexta das 10h às 19h, Sábados, Domingos e Feriados das 12h às 19h.

UFFIZI - Consultoria em Comunicação
Rua Vicente da Fontoura, 2199 - Sala 302 - Porto Alegre - RS
Fone: (51) 3379.1444
www.uffizi.com.br - uffizi@uffizi.com.br






A Medida do Gesto - Um panorama do acervo MACRS





MACRS Institucional
Videofólio que apresenta uma panorâmica das atividades do museu nestes primeiros  6 meses de 2011.



72 HORAS
A Galeria Sotero Cosme do MACRS, no mês de junho/julho apresentou o resultado de 72 horas de confinamento no Atelier Livre. Os artistas Carlos Asp, Claudia Sperb, Denise Helfenstein, Felipe Caldas, Gelson Radaelli, Marcelo Monteiro, Rodrigo Nuñes, Túlio Pinto e Wilson Cavalcanti (Cava),  mostraram, assim, os trabalhos resultantes desta experiência, numa atividade integrada às comemorações de 50 anos da instituição.


* Vídeoprodução independente disponibilizado gratuitamente ao público pela produtora/autora na internet

Pretérito Imperfeito de Territórios Móveis
Exposição de Flavya Mutran, que abre o calendário de exposições 2011 do Museu de Arte Contemporânea do Rio Grande do Sul, na galeria Xico Stockinger no 6º andar da Casa de Cultura Mario Quintana, atualmente espaço expositivo oficial do MAC.


* Vídeoprodução independente disponibilizado gratuitamente ao público pela produtora/autora na internet


Alex Sevilla  - 2010

Uma das primeiras exposições do MACRS captada em vídeo e disponibilizada na internet, marcou o encerramento do ano de 2010.


* Vídeoprodução independente disponibilizado gratuitamente ao público pela produtora/autora na internet


Acompanhe neste vídeo, entrevista sobre processos fotográficos feita com o artista Alex Sevilla, autor dos trabalhos que foram expostos na Galeria Xico Stockinger na Casa de Cultura Mario Quintana, em parceria com o Museu de Arte Contemporânea. Sobreposição de diversas imagens urbanas em resultados coloridos de grandes dimensões. 
Produção: www.babilonica.com